Translate

quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018

"Espanha atrasou adesão de Portugal à CEE"

Felipe González liderou o governo de Espanha entre 1982 e 1996

  |  REUTERS

O antigo presidente do governo de Madrid Felipe González afirmou hoje que foram os espanhóis que impediram durante anos a adesão de Portugal à então CEE.

Felipe González falava na cerimónia de inauguração da Sala Mário Soares no Parlamento Europeu, em Bruxelas, tendo afirmado que "Portugal tinha acabado o seu processo de negociação" e estava preparado para entrar graças ao trabalho de "um grande europeísta", como Mário Soares. Porém, "Portugal atrasou-se por culpa de Espanha" disse, lembrando que "Espanha punha mais problemas e atrasava o processo, enquanto Portugal esperava desnecessariamente". Mas, em Bruxelas diziam "vão entrar os dois países ibéricos juntos". E entraram, em 1986.

González considerou também que a Europa em que Soares acreditava ainda está por construir, pois "a economia financiada da globalização tem um problema de sustentabilidade, se não corrige a desigualdade na repartição das receitas".

O homem que chefiou o governo de Madrid entre 1982 e 1996 considera que a Europa vive hoje um momento de acalmia, tendo em conta alguma da recuperação da economia, mas entende que é preciso refletir sobre o que diria Soares, sobre o momento atual.

"Os que nos sentimos próximos do que significa e significou esta sala Mário Soares não podemos considerar superada a crise, até que as feridas de desigualdade, que esta crise deixou na Europa e no mundo não estejam saradas de maneira justa, de acordo com o espírito europeu", disse.

A cerimónia contou com a presença dos filhos de Mário Soares e a do primeiro-ministro, António Costa, que destacou o papel de Soares na construção de uma Europa democrática, considerando-se merecedor da distinção de ter o nome perpetuado, na casa da democracia, entre o de outros históricos da Europa.

"Com esta homenagem que aqui prestamos hoje, o nome de Mário Soares junta-se merecidamente no Parlamento Europeu, aos nomes de outros europeus ilustres como [Konrad] Adenauer, Altiero Spinelli, Willy Brandt, Simone Weil, de alguns dos quais ele foi pessoalmente amigo", recordou António Costa.

Bruxelas